Esquire Theme by Matthew Buchanan
Social icons by Tim van Damme

12

Oct

Como é lá em São Bernardo?

Eu estou morrendo de sono, mas tem coisas que não podem passar em branco. Eu resolvi fazer uns cursos para melhorar o meu currículo e preencher minha cabeça, que devo dizer, estava vazia demais. Quando nós começamos a estudar, geralmente há aquela esperança de fazer novas amizades e bater papo com gente diferente. Of course que depois de quatro anos de Metodista eu deveria ter aprendido que isso não existe, porém eu sou uma pessoa perseverante e achei que ia ter uma galerinha gente boa. Posso dizer que as pessoas que parecem ser legais são as que mal abriram a boca até agora. Eu sei que eu estou sendo uma filha da puta altamente crítica, fazer o que? Mas um fulano degustador profissional de pinga falando de Audi e um estudante de PP metido a músico e sabichão, são difíceis de deixar passar em branco. Mas não é deles que eu vim falar, e sim do moço que me fez a pergunta título do post:”Como é lá em São Bernardo?”

Se eu fosse de outro estado ou país eu ia aceitar a pergunta, mas por ser de São Paulo, eu não acreditei no que eu estava ouvindo. O pior foi a continuação: “O que tem para fazer lá em São Bernardo?” O que a pessoa acha que pode ter de tão diferente em uma cidade que fica a menos de 30 quilômetros de distância? Eu não faço idéia, mas não pude deixar de me sentir ofendida com a pergunta. Esse pessoal nascido e criado em São Paulo é muito desinformado e posso até dizer ignorantes.

É uma pena que eu seja um pessoa tão devagar e não tenha respondido assim: Ah lá em São Bernardo é assim, metade é Mata Atlântica, uma parte é praia e o resto é uma fazenda, onde eu e meia dúzia de famílias moram. A gente vive na roça e anda pelado feito índio, eu só ponho roupa para vir para cá. A carroça coletiva passa às cinco da manhã, se perder essa não tem mais como sair de lá. E a gente se diverte contando histórias a luz de velas depois que a noite cai, porque não temos energia elétrica e muito menos Internet. A gente tem o nosso próprio dialeto e cagamos numa vala aberta no chão. Muito diferente daqui, até vir para cá eu nem sabia o que era papel higiênico e bolacha recheada. A gente não tem essas coisas lá na roça de São Bernardo do Campo, porque como já diz o nome é no Campo e por causa da Anchieta que é uma estrada de terra muito precária, as coisas não conseguem chegar.

Ah Deus dê-me paciência, pois está muito difícil conviver com os seres humanos!

  1. deliciadeliciadelicia posted this